Blog / Notícias

O PIX vai ser pago? Entenda!

Em pouco mais de 6 meses de existência o PIX já superou todas as outras formas de transferências. No entanto, uma das últimas notícias tem preocupado os usuários, pois o PIX vai ser pago.

Mas, calma, não são todas as pessoas que vão precisar pagar para usar essa ferramenta facilitadora de pagamentos. Confira!

Quem vai precisar pagar para usar o PIX?

Banco do Brasil, Itaú, Bradesco e Santander vão cobrar as empresas para fazer transferências e receber valores via PIX. Isso vai acontecer porque o Banco Central não determinou isenção para pessoas jurídicas como o fez  para pessoas físicas.

O PIX vai ser pago nas seguintes condições: Envios de dinheiro e em alguns casos, nos recebimentos de valores.

Empresas MEIs não podem ser cobradas para usar o sistema PIX.

A princípio, as Instituições Bancárias já divulgaram suas taxas para transferências de PIX, segue:

– Bradesco – 1,4% do valor da transação, com tarifa mínima R$1,65 e máxima de R$9,00.

– Itaú – 1,45% do valor da transação, com tarifa mínima de R$1,75 e máxima de  R$9,60.

– Santander – 1% do valor da transação, tarifa mínima de R$0,50 e máxima de R$10,00.

– Banco do Brasil – 0,99% do valor da transação, tarifa mínima de R$1,00 e máxima de R$10,00.

Os recebimentos de transferências via PIX também serão cobrados:

– Bradesco – 1,4% do valor da transação, tarifa mínima de 0,90 e máxima de R$145,00.

– Santander – 1,4% do valor da transação, com tarifa mínima de R$0,95.

Itaú – 1,45% do valor pago, tarifa mínima de R$1,00 e máxima de R$150,00.

– Banco do Brasil – 0,99% do valor da transação, tarifa máxima de R$140,00.

As Fintechs e a Caixa Econômica Federal ainda não divulgaram suas possíveis taxas.

Pessoas físicas vão precisar pagar pelo PIX?

O sistema mais moderno de pagamento instantâneo do Brasil vai continuar sendo gratuito para pessoas físicas e também para microempreendedores individuais ( MEI). 

Contudo, novas funcionalidades podem surgir com o tempo e essas podem ser cobradas.

Uma das apostas do Banco Central é ativar a função saque em espécie ainda esse ano, ainda não foram divulgadas as taxas para os usuários pessoas físicas para usar essa funcionalidade. Contudo, vai depender do relacionamento de cada cliente com seu banco, alguns podem até usufruir de isenções.

Empresas do comércio poderão receber as transferências em espécie, vai facilitar a movimentação de valores e reduzir a necessidade de lojistas e prestadores de serviços comparecerem em agências bancárias.

Pelos próximos meses, muitas novidades do PIX surgirão, esse sistema de pagamento veio para ficar e facilitar as movimentações financeiras no Brasil.

Benefícios do PIX para as empresas

O PIX vai ser pago em algumas situações, no entanto, mesmo assim continuará sendo a opção mais viável para transferências, recebimentos e até mesmo saques em espécie.

A verdade é que as tarifas do PIX não são mais onerosas do que os cartões de crédito, boletos e outros tipos de transferências como DOC e TED. Ademais, os custos podem ser reduzidos conforme o relacionamento entre as empresas e as instituições bancárias.

Existe a relação custo x benefício que engloba:

– Rapidez na transferência de valores, pois os créditos do PIX levam apenas 10 segundos para cair na conta. Nenhum outro sistema oferece essa facilidade;

– Ferramenta disponível 24 horas por dia, de segunda a segunda, inclusive, final de semana e feriados;

– Empresas enquadradas no MEI não serão cobradas;

– O limite de transferência é equivalente ao TED;

O PIX promove mais agilidade nos pagamentos e menos burocracia no dia a dia de trabalho. Certamente, é uma ferramenta que veio para somar.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Artigos que você também pode gostar: